sábado, junho 28, 2008

284 - Vereador Elberto Madruga


Elberto Madruga foi sete vezes vereador em Pelotas. Consta em [ECHEVERRY 1990]:
1a - 1952 a 1955 - Prefeito Mário David Menegheti
2a - 1956 a 1959 - Prefeito A. Fetter
3a - 1960 a 1963 - Prefeito J. Carlos Gastal
4a - 1964 a 1968 - Prefeito E. Fetter
5a - 1969 a 1972 - Prefeito A. Fetter
6a - 1973 a 1976 - Prefeito Ary Alcântara
7a - 1977 a 1982 - Prefeito Irajá Andara Rodrigues

No governo do prefeito Irajá, Madruga foi Presidente da Câmara.
Foi considerado Ciddão Pelotense m 28 de janeiro de 1983 e considerado Cidadão Leonense após sua morte. Uma rua em Pelotas recebeu seu nome em 11/10/1988.

Poesia de Sady Maurente em [ECHEVERRY 1990]:


Madruga


Eu conheci aquele negro branco
Negro na cor, mas branco em sentim
Por ser humilde, inteligente e franco,
Recebeu o maior merecimento


Numa luta, sem impedo violento
Alcançou o ideal que, num arranco,
A morte arrebatou-lhe um momento,
E seu cabelo já ficara branco


Na sua longa vida, nessa luta
Contra os homens e contra o preconceito
Soube impor sua imagem impoluta

É que ele em tudo pôs o coração
Por isso, engrandeceu e foi prefeito
Da terra onde viveu - Capão do Leão.

[ECHEVERRY 1990] ECHEVERRY, José Vieira. O Poder Legislativo Pelotense. - Cadernos de Pelotas. N.2. abr/1990.

283 - Idailsom Luis Alves, 3° Sargento da BM de Capão do Leão

Nasci na cidade de Rio Grande, em 05 de setembro de 1957. Sou filho de Nolande da Rocha Alves (falecido) e Neli Gadeia Alves. Com apenas 14 anos comecei a trabalhar de forma humilde como gari na Prefeitura Municipal de Pelotas, onde permanecei de 1971 até 1975. Em janeiro de 1976 prestei o serviço militar no 9º Batalhão de Infantaria Motorizado, na Cia de Apoio, do qual só me afastei no ano de 1978 quando ingressei na Brigada Militar.Em 1980, casei-me com Solange Bandeira Alves com a qual tive oito filhos: Fernanda, Letícia, Suelem, Jamilsom, Natielem, Francielem, Andrielem e Jaqueline.
Dos anos de 1980 a 1982 prestei serviço no Corpo de Bombeiros de Pelotas (CBPEL), retornando ao 4º BPM, onde fui promovido a cabo no ano de 1987 após o curso na ESFECS em Porto Alegre, sendo transferido para o pelotão que respondia pelo Município de Capão do Leão.
Em 1998 fui promovido a 3º Sargento, e prestei serviços à comunidade Leonense até o ano de 2001, quando passei a reserva remunerada da Brigada Militar na Graduação de 2º Sargento.
Em 2001, juntamente com vários amigos, fundei o CBV-CL (Corpo de Bombeiros Voluntários do Capão do Leão), antigo sonho de meu pai, Nolande, que serviu mais de 30 anos como bombeiro na cidade de Pelotas. Tive o prazer de comandar este grupamento até julho deste ano, quando passei o comando ao 2º sargento Jansem e me despedi com a certeza de missão cumprida, pois, finalmente, a guarnição possuia um caminhão e diversas viaturas em funcionamento, capazes de atender a comunidade.
Hoje, faço parte da patronagem do CTG Herança Campeira, do qual participo desde a sua fundação e onde tive o prazer de ocupar diversos cargos de diretoria. Agradeço pela oportunidade que me deu o jornal Tradição, principalmente por nesta semana completar 50 anos de vida. Só tenho a agradecer a Deus pela família que tive e os amigos que cultivei. Que Ele abençoe a todos.


Jornal Tradição


282 - Gelsimar Duarte Lourençon, o autor de Nosso Hino


Meu nome é Gelsimar Duarte Lourençon, tenho 39 anos. Como a maioria, nasci em Pelotas, mas sempre vivi em Capão do Leão, primeiro como 4º Distrito de Pelotas depois como cidade emancipada. Meus pais são Gelsi Girão Lourençon – que criou a mim e a meus irmãos trabalhando nas Pedreiras deste Município como graniteiro – e Jurema Duarte Lourençon, que além dos afazeres domésticos era costureira. Cursei o primário na Escola Barão do Arroio Grande e as séries finais na Escola Estadual Presidente Castelo Branco. Ex-seminarista, com 13 anos fui morar em São Leopoldo onde fiz magistério em nível de segundo grau e posteriormente ingressei em Teologia, onde me dediquei durante três anos e meio ao estudo das exegeses cristãs, a música e as línguas do Antigo e Novo Testamento [grego, hebraico e latim] e lecionando na cidade de Canoas. Retornei a Capão do Leão aos 19 anos e ingressei na Carreira do Magistério lecionando na Escola Municipal Barão do Arroio Grande durante o ano de 1989. Após, trabalhei no Departamento de Pessoal do Mapel [Movimento Assistencial de Pelotas] com o Projeto Primeiro Emprego para Meninos de Rua. Depois trabalhei no Banco Bradesco de Pelotas até 1992, voltando à docência no Município de Capão do Leão lecionando nas Escolas Manoel Serafim [Palma] e Ildefonso Lopes [Horto Florestal] e Escola Barão do Arroio Grande. Em 1993 fui convidado à direção da Escola Municipal Prefeito Elberto Madruga, onde dirigi este estabelecimento por um ano. De 1994 a 2000, intercalei minha vida profissional – Escola Barão do Arroio Grande e Cel. Raphael Sampaio, no Pavão – com meus estudos. Neste período fiz formação curta em matemática contábil, Licenciatura Plena em Filosofia pela UFPel e Pós-graduação em Educação [Educação Libertadora em Paulo Freire] pela FaE/UFPel. Além de ser professor concursado no Município, em 2002 fui nomeado professor de Filosofia pelo Estado atuando sempre na Escola Estadual de Ensino Médio Presidente Castelo Branco. Antes disto, em 2001, fui convidado a trabalhar na Secretaria Municipal de Educação do município como Diretor Financeiro que depois passou a denominar-se Supervisor Administrativo. Nesta função trabalhei na Secretaria de Educação de 2001 a dezembro de 2006, quando assumi como Secretário Municipal de Educação, cargo que detenho até o momento. Atualmente, também sou comunicador da Rádio América FM – 104.9, onde todos os domingos faço um Programa musical.
Um dos orgulhos que tenho na vida, além de meus filhos, é o fato de ter participado de concurso público e ter me tornado ao autor da letra do Hino de Capão do Leão, uma poesia de homenagem ao povo leonense.
Quanto à Educação, sempre acreditei ser o único instrumento efetivo de emancipação do ser humano. É ela que nos dá consciência do que somos, quais princípios e regras de conduta a serem adotados e qual nosso papel na sociedade. Estas condições é que nos tornam efetivamente cidadãos, que respeita e faz se respeitar em seus direitos e deveres. Por isto, meu trabalho frente à Secretaria de Educação sempre foi pautado na oportunização e qualificação do ensino municipal, elemento fundamental na formação da consciência coletiva leonense.
Acima de tudo, acredito na honra, na ética, no trabalho, na simplicidade e na honestidade como principais virtudes que um homem possa ter. Aprendi, também, que um homem não vale pelo quem tem, mas pelo que ele é de fato. Obrigado pela oportunidade aos amigos do Jornal Tradição.
Jornal Tradição, 28 de junho de 2008

281 - Túneis em Pelotas e Capão do Leão

veja em:
[Atualização: 28/09/2009] http://www.tuneisdepelotas.xpg.com.br

280 - Cerro das Almas

Cerro das Almas, em Capão do Leão - RS,Local onde as lendas dizem existir um cemitério dentro de uma gruta. Pouco se sabe sobre o assunto, e as variações da lenda dizem que lá existe:1) O túmulo de um antigo escravo - existiam quilombos na região2) Cemitério Indígena - a região também já foi habitada por indios3) Túneis das tropas portuguesas - alguns dizem que haveriam túneis, usados pelos portugueses na época em que expulsaram os espanhóis da região.Pouco se sabe sobre o que existe lá ou sobre sua suposta localização. Alguns ex-funcionários das empresas de mineração alegam ter visto trechos de peabirús e inscrições rupestres nas proximidades. Também acredita-se que seja esse o motivo para o nome dado ao local.- Bruno.M.Farias

http://bbs.keyhole.com/ubb/printthread.php/Board/EarthTravel/main/1137479/type/post
http://www.orkut.com.br/Album.aspx?uid=10487600359997492759&aid=1214561020

BRUNO M. FARIAS
---------------------
PESQUISA – Sítios arqueológicos no Capão do Leão
No ano 2000 a FURG recebeu uma coleção de artefatos encontrados no Jardim América, entre elesestatuetas, porretes e boleadeiras de pedra de 4000 anos de idade.Relatos falam de cemitérios indígenas e construções da época dos escravos, e também de desenhos feitos na pedra no Cerro das Almas. Veja o álbum só com mapas do Cerro das Almas e tipos de artefatos que poderiam ser encontrados na região:http://www.orkut.com/Album.aspx?uid=10487600359997492759&aid=1214561020 Se você já viu ou já ouviu falar em algo parecido, entre em contato: bruninhofarias-floripa@hotmail.com Obrigado a todos!

domingo, junho 22, 2008

279 - Estância Sant´Ana de 1850 à 1882.

http://familiavictoria.blogspot.com/2008/06/22-terras-da-famlia-no-capo-do-leo.html

278 - Estância São Thomé


Na virada do século XVIII (desoito) para XIX (desenove), as terras entre os arroios Pestana (atualmente também conhecido como Pestano, Moreira ou Fragata) e São Thomé (atualmente também conhecido como Padre Doutor ou Theodósio) ficavam as terras de Alexandre da Silva Baldez e Antônio Francisco dos Anjos.

Anterior a eles, esta localidade pertenceu à Manoel Moreira de Carvalho e se chamava Estância São Thomé. Manoel dividiu a estância em duas às quais, em 1787, vendeu a parte oeste para Baldez e a parte leste para Francisco Araújo Rosa. Baldez solicitou sesmaria da parte dele e esta foi concebida por Luiz Vasconcelos de Souza em 1789. Francisco Araújo Rosa vendeu sua parte, em 1799, à Antônio Francisco dos Anjos.

Fonte:

[APRS 1922: 175-238] Revista do Arquivo Público do Rio Grande do Sul. Catálogo dos Inventários Processados pelo Cartório de Orphãos e Provedoria de Rio Grande (1768-1907). Porto Alegre: Livraria do Globo. Págs. 175 a 238.

[GUTIERREZ 2004] GUTIERREZ, Ester J.B. Barro e Sangue - mão de obra, arquitetura e urbanimo rm Pelotas [1777-1888]. Pelotas: UFPel, 2004. 549p

ARQUIVO PÚBLICO DO RIO GRANDE DO SUL

[BALDEZ 1793] Alexandre da Silva Baldez; Tipo de Documento – Inventário; Município – Rio Grande; Cartório/Vara – I Orfãos e Provedoria; N.Processo/Talão 2; Maço 37; Estante 12; Ano 1793

[FELIX 1807] Felix da Costa Furtado de Mendonça; Tipo de Documento – Medição; Município – Rio Grande *; Cartório/Vara –2o Civel e Crime; N.Processo/Talão 487; Maço 13; Estante 19; Ano 1807

[FELIX 1819] Félix Furtado da Costa de Mendonça (pai de Hipólito da Costa); Tipo de Documento – Inventário; Município – Rio Grande *; Cartório/Vara – Órfãos e Providoria; N. Processo/Talão – 189; Maço - 8; Estante - 12; Ano 1819

Ver também:

sábado, junho 07, 2008

277 - Álbum de Pelotas

Hoje tive uma grande surpresa. Recebi de meu sogro, Fernando Sequeira Gamio, via correio, um resumo da obra "Álbum de Pelotas - O Centenário da Monarchia Á Republica" de Clodomiro C. Carriconde, de 1922. Nesta resumo, constam as seguintes fotos do Capão do Leão.




Muito Obrigado, seu Fernando!!

domingo, junho 01, 2008

276 - Dois Séculos de Jornal

A imprensa brasileira celebra neste primeiro de junho (hoje) uma data histórica: há 200 anos nascia o primeiro jornal brasileiro, o Correio Braziliense. Fundado por Hipólito José da Costa em Londres, o jornal era uma voz de oposição aos monarcas portugueses. Hipólito José da Costa Pereira Furtado de Mendonça nasceu na Colônia do Sacramento (atual Uruguai) em 13 de agosto de 1774 e morreu na capital britânica em 11 de setembro de 1823. Sua trajetória passa pelo Rio Grande do Sul, pois, ainda menino, foi trazido para Pelotas (Capão do Leão), onde recebeu as primeiras letras. Antes de ser um jornalista ardoroso, fundador do pioneiríssimo Correio Braziliense, formouse em Direito e Filosofia na Universidade de Coimbra, em 1798. A serviço do rei, Hipólito viajou aos Estados Unidos, à França e à Inglaterra, países que atravessavam uma fase de I renovação de idéias, em plena Revolução. Preso pela Inquisição em 1802, conseguiu fugir e instalar-se definitivamente em Londres, em 1805. Maçom, aderiu à causa da Independência do Brasil, usando seu jornal para isso.Hipólito é o patrono da imprensa brasileira. Seu nome foi dado à cadeira número 17 da Academia Brasileira de Letras. Em homenagem a seu jornal, cujo primeiro número circulou em 1 de junho de 1808, a data foi erigida em Dia da Imprensa no Brasil.



Fonte: ZAVASCHI, Olyr. Túnel do Tempo - Dois Séculos de Jornal. Porto Alegre: Zero Hora, pag 60 (Almanaque Gaúcho). 31.05.2008
assuntos relacionados: