segunda-feira, agosto 07, 2006

108 - O artigo da Biblioteca

Na Biblioteca Publica do Capão do Leão "Jornalista Hipólito José da Costa" encontra-se um trabalho datilografado e amarelado pelo tempo com o Título "História do Capão do Leão". Este trabalho não tem data e não especifica o Autor. Abaixo descrevo alguns trechos...
.
PADRE DOUTOR E HIPÓLITO DA COSTA
.
...-- O Capão do Leão, em 1773 realizava os seus ofícios religiosos sob a orientação do Padre Doutor Reverendo Pedro Pereira de Mesquita, tio pelo lado materno do Jornalista Hipólito da Costa Pereira Furtado de Mendonça. O lar de Felix da Costa Pereira Furtado de Mendonça, pai de Hipólito, localizava-se entre Baldez e Santo Amor, cabe, portanto, ao Município do Capão do Leão, a glória de ter servido de cenário as traquinices infantis e os primeiros sonhos adolescente desse propulsor da Imprensa Brasileira. Em 1792, Hipólito José da Costa, aos 18 anos, deixa o Cerro de Sant´Ana, com destino à Portugal, onde frequentaria a Universidade de Coimbra, bacharelado em Direito em 1798 aprimorando conhecimentos da Matemática e da Filosofia.-- [BMJHJC SD:2] ... Esta data está incorreta pois em 1773, Padre Dr estava na Colônia do Sacramento onde ficou até 1777. 1778 ele estava exilado em Buenos Aires. Pode ter ido para o Capão do Leão apartir de 1779.
.
O NOME CAPÃO DO LEÃO
.
...-- De acordo com o Historiador Dr. Fernando Luiz Osório, escrito em seu livro "Cidade de Pelotas"...: " O Tigre, o Leão, o Tamanduá-bandeira, aqui já existiram, mas não consta nestes últimos anos que tenha sido vistos na Zona Municipal. Certamente em tempos idos algum leão tenha habitado o interior de algum capão, daí a origem do nome" -- [BMJHJC SD:2] ... Fernando Luíz Osório fala neste texto sobre o Leão Baio e refere-se ao nome Capão do Leão.
.
GEOGRAFIA
.
...-- Em 1807, por ocasião da medição do cordão da Olaria, o Capão do Contrabandista, o banhado dos Sarandis, onde foi levantado um Marco; a seguir surgia o Alto da Sombra terra recortada pelo Arroio San Thomé; donde divisva-se a costa do Arroio Feijão, osteando um coqueiro sobressaindo do centro de enormes pedras, que o tempo faina destruidora remodera-se as extremidades. Acolá, situa-se o Arroio das Pedras, completando o cenário do Chamado Passo das Pedras de CIMA, que deu origem ao Arroio de mesmo nome. Havia a presença de um salso com muitos braços, cercado de pedras, ele erguia-se à flor da terra. Essas pedras marcavam a linha divisória do Estreito do Boque, onde o Arroio atravessava a Estância das Pedras. Um dos galhos do salso, alcançava um pequeno capão de mato, local onde situava-se uma enorme pedra de serra, que sobressaia da terra, medindo em perspectiva a altura de um homem e com caracteristicas de um ovo psoto de pé e um tanto inclinado para o pântano, cortado o lado norte, no seguimento do Arroio San Thomé, proporcionando visibilidade até a estância que pertencia ao Padre Doutor, lideira com a estância do Pavão, situada ao nordeste e pelo sudeste, confrontando-se com o boqueirão que dava passagem à estrada geral, utilizada pelas estâncias do Pavão e das Pedras, indo ficar no local de origem do Arroio Feijão, até alcançar a divisa das fazendas Araújo, atualmente área ocupada pela COLATE, toda essa situação topográfica, emprestava ao Capão do Leão, um cenário agreste e opulento.-- [BMJHJC SD:3] ...
.
CHARQUEADA
.
...-- Os Araújos eram grandes charqueadores, e a charqueda lá existente de propriedade deles, era um setor específico, altamente qualificado na economia da florescente Pelotas.-- [BMJHJC SD:3] ...
.
A PEDREIRA
.
...-- A economia em potencial desse município é imensurável, levando-se em conta que a pedreira do Capão do Leão, está classificada em segundo lugar no mundo, pois que, a detentora do primeiro lugar, localiza-se na União Soviética. Não é novidade histórica, que grande parte das ruas de Buenos Aires são calçadas com as pedras originárias da pedreira em apreço. -- [BMJHJC SD:4] ... A classificação ao qual o texto se refere é em relação ao tamanho do bloco de pedra de granito.
.
OS FRANCESES
.
...-- Em 1870, uma empresa francesa, aprazou com a administração do cais do Rio Grande, as suas obras e a construção dos moçhes. Alguns engenheiros franceses vieram para o Capão do Leão, pois o material indispensável de obras, aqui se encontrava. --[BMJHJC SD:4] ... Na verdade, os franceses só assumiram a obra da barra de Rio Grande em 1909 e iniciaram a exploração das pedras do Capão do Leão em 1911.
.
A PEDRA DA BANDEIRA
.
...-- Por ocasião da permanência dos engenheiros franceses entre os antigos povoadores dessa comuna, desejavam aqueles festejar a data de 14 de julho, que assinala a queda da Bastilha hasteara na parte mais alta da pedreira, e bem visível, a BANDEIRA FRANCESA. Os leonenses porém, movidos de patriotismo, organizaram um protesto isolante, pondo campo afora, os franceses e em lugar da outra BANDEIRA, hastearam o PAVILHÃO NACIONAL. --[BMJHJC SD:4] ...
.
VASÃO DE MERCADORIAS
.
...-- Ante o cenário do Capão do Leão, desfilavam as carretas rumando em direção ao Saco do Laranjal, fazendo a travessia no Passo do Santa Bárbara tomavam o rumo das Três Vendas, para atingirem o cotovelo de Pelotas, que sua vez transposto, chegava a foz do São Gonçalo. Algumas dessas carretas conduzião em seu interior fartas colheitas de trigo. Lá iam elas, pos sua vez, atravessando descampados, onde aos poucos se contraiam os municípios de Jaguarão, Herval e Arroio Grande. Algumas dessas carretas eram intinerantes desde as pontes da Palma, a chamada Estrada do Trigo, descendo rumo à barra do Piratiní, com estágios na Estância do Liscano, onde situava-se o Porto de Dona Antônia, para nesse Porto vasar a mercadoria dos seus surrões nos porões dos hiates que desceriam o São Gonçalo, com destino aos mercados consumidores. --[BMJHJC SD:4] ...
.
PÂNTANO DA ESTIVA
.
...-- Em 20 de junho de 1807, ao concluir a medição do lugar denominado "Pântano da Estiva, chegava ao seguinte resultado: 350 braças pela margem do rio Pavão; 50 braças até o Passo do Pavão; 450 braças até a picada do Cardão da Olaria; 250 braças até a Olaria; 300 braças até a Olaria; 300 braças em linha direta as casas da Estância do Pavão e dali até a margem do Arroio Pavão; 1100 braças à oeste até o Capão do Contrabandista; 200 braças até o final da divisa do Contrabandista a um banhado cheio de Sarandis, onde foi levantado um marco; 600 braças até o alto da sombra onde existe uma das grandes pedras junto a um coqueiro; 1350 braças, costa do Arroio do Feijão; 1250 braças até chegar ao fim do Arrio Feijão, com umas casas de uma fazenda, lá existente; 900 braças até chegar o Arroio do Potreiro da Cria." -- [BMJHJC SD:4-5] ...
.
PRIMEIROS PROPRIETÁRIOS
.
...-- Lá pelo ano de 1777, essas extenções de terras se dividiam em propriedades de Rafael Pinto Bandeira, Padre Doutor, Ten. Juvenal Manoel Marques de Souza, Felix da Costa Furtado de Mendonça, Fernando Araújo e José da Rosa. --...-- Em 20 de fevereiro de 1816, a Estância do Pavão, propriedade do Brigadeiro Rafael Pinto Bandeira, era vendida por seus legetários Comendador Domingos Monteiro Bandeira e Josefa Pinto Bandeira (filha do Brigadeiro) a José Barbosa Meneses, seus irmãos e parentes. --...-- Em 7 de novembro de 1826, Antônio Manuel Fernandes e sua mulher Umbelina Luiza Fernandes, vendiam a José Ignácio da Cunha, um pedaço de terra denominado "Capão do Leão", e ainda um pequeno potreiro, no mesmo campo, bens que o casal havia por legítima de sua sogra e mãe, Dona Tereza da Silva Baldez. Fração de campo que em 1787 fora transacionada por Manuel Moreira de Carvalho e sua mulher Maria dos Anjos da Encarnação, à Alexandre da Silva Baldez. O referido campo compreendia a metade da estância que haviam comprado de Antônio dos Santos Saloio. A Propriedade confinava-se a leste com as terras de José da Silva, e o potreiro pertencente a Felix da Cunha Pereira Furtado de Mendonça, lideiro com a propriedade de Feliciano Antônio Almeida e a oeste com Antônio Teixeira Corisco e ao sul e sudeste, limitava-se com a estância de Rafael Pinto Bandeira. -- [BMJHJC SD:5] ...
.
BOSQUE BENJAMIM
.
Era refúgio nas horas de lazer ...-- conhecido Bosque Benjamim no Capão do Leão (lá pelo ano de 1885). AU PITTURESQUE BOSQUE oferecia-lhe excelente cardápio refeições aos ritmos de uma orquestra por maestrinos. EIS O CARDÁPIO: Assado com Couro, Almoço ou Jantar (2$000), Cerveja Estrangeira (1$000), Cerveja Lag Bier (600 reis), Cerveja Dupla (500 reis), Cerveja Simples (400 reis), Suculentos Manjares, Vinhos e Licores. -- [BMJHJC SD:6] ...
.
IGREJA SANTA TECLA
.
...-- O Correio Mercantil, em 27 de dezembro de 1901, noticiava a inauguração da Igreja de Santa Tecla, no Capão do Leão. O evento teria início as nove e trinta da manhã, com missa cantada e um sermão sobre evangelho. As dezessete horas, um "TEDEUM" e durante a cerimônia religiosaexpor-se-ia a vida e as obras de Santa Tecla. A data marcada para o dia 1 de janeiro de 1902. No dia seguinte, 2 de janeiro, realizar-se iam batizados apresados. Seria celebrante dos dois acontecimentos religiosos o Dr. Padre Leon Blondet da paróquia de Cangussu. A família Santa tecla, foi doadora do terreno e de maior parte dos recursos pecuniários para a ereção da Igreja do Capão do Leão. Entre relevantes dádivas da família Santa Tecla destacamos: uma imagem de São José; um quadro de Nossa Senhora do Rosário da Pompéia; duas pias de mármore, destinadas à àgua e batismo; dois cálices de prata e seus respectivos pertences; um par de galhetas para água e vinho, as sacras para o altar acompanhadas de quatro toalhas; dois manuscritos; três pares de vasos; oito ramos de flores, uma alva para o padre e uma lamparina. A Sra Zizia Soares, irmã da Baronesa de Santa Tecla, ofereceu para ornar o altar um frontal bordado e um vaso de cristal. Dona Angelina A. Bermamm, um quadro de São Miguel Arcanjo e dois catiçais de prata; O Sr Antônio Aguiar, presenteou um sino e dois catiçais de prata; O Sr. José Vieira, ofereceu quatro catiçais dourados, três para flores, quatro porta cortinas e quatro maçanetas para adorno. A Sra. Gertudes Cunha, Amélia e Clotilde Gomes, oito ramos de flores artificiais. Os últimos donativos recebidos para as obras da Igreja foram dos Srs. Antônio Lorenzinei (50$), Leopoldo Hartel (20$) e Chagas Neto (10$). Em dezembro de 1902, fixava residência no Capão do Leão, o Rev. Pe. João Alberti, nomeado vigário para minsitrar os atos liturgicos na igreja sob o sacro de Santa Tecla. -- [BMJHJC SD:6-7] ...

Quem será que escreveu este texto e quando?

[BMJHJC SD] Biblioteca Municipal Hipólito José da Costa. História do Capão do Leão. Capão do Leão. SD. 7p