domingo, agosto 06, 2006

Quinto Mês do Blog

Amanhã o Blog estará completando 5 meses.

Índices dos mêses anteriores:
http://capaodoleao.blogspot.com/2006/04/primeiro-ms-do-blog.html
http://capaodoleao.blogspot.com/2006/05/segundo-ms-do-blog.html
http://capaodoleao.blogspot.com/2006/06/terceiro-ms-do-blog.html
http://capaodoleao.blogspot.com/2006/07/quarto-ms-do-blog.html

dia 14/7/2006 - 95 - Mudou de Endereço; 96 - Capão do Leão como distrito
http://capaodoleao.blogspot.com/2006_07_14_capaodoleao_archive.html

dia 23/7/2006 - 97 - Obelisco da I Guerra (Foto Atual);
http://capaodoleao.blogspot.com/2006_07_23_capaodoleao_archive.html

dia 24/7/2006 - 98 - A Maçonaria no Capão do Leão
http://capaodoleao.blogspot.com/2006_07_24_capaodoleao_archive.html

dia 26/7/2006 - 99 - Manoel José Teixeira Victoria
http://capaodoleao.blogspot.com/2006_07_26_capaodoleao_archive.html

dia 2/8/2006 - 100 - 2a Tentativa de Emancipação (2a parte)
http://capaodoleao.blogspot.com/2006_08_02_capaodoleao_archive.html

dia 3/8/2006 - 101 - Rua de Porto Alegre; 102 - 2a Tentativa de Emancipação (3a parte); 103 - Fazenda Capão do Leão; 104 - Várzea do Capão do Leão
http://capaodoleao.blogspot.com/2006_08_03_capaodoleao_archive.html

dia 4/8/2006 - 105 - Fábrica de Vinhos
http://capaodoleao.blogspot.com/2006_08_04_capaodoleao_archive.html

dia 6/8/2006 - 106 - Telefonica (mais informações); 107 - 2a Tentativa de Emancipação (4a parte)
http://capaodoleao.blogspot.com/2006_08_06_capaodoleao_archive.html

dia 7/8/2006 - 108 - O artigo da Biblioteca
http://capaodoleao.blogspot.com/2006_08_07_capaodoleao_archive.html

107 - 2a Tentativa de Emancipação (4a parte)

1a parte - http://capaodoleao.blogspot.com/2006/04/58-2a-tentativa-de-emancipao-1a-parte.html
2a parte - http://capaodoleao.blogspot.com/2006/08/100-2a-tentativa-de-emancipao-2a-parte.html
3a parte - http://capaodoleao.blogspot.com/2006/08/102-2a-tentativa-de-emancipao-3a-parte.html
... continuação
.
As regras para que localidades se emancipassem estavam mais rígidas e, além disto, em 17/12/1965, o sr Edmar Fetter (Prefeito de Pelotas) diminuiu a área do IV distrito do Capão do Leão. Para que Capão do Leão tivesse as condições necessária, teria que aumentar principalmente sua receita. A solução para isto seria aumentar a área a ser emancipada e incluir algumas indústrias, que antes da alteração territoria de Fetter, pertenciam ao distrito de Capão do Leão. A divisa de Fetter ia até o Arroio São Thome (ou Padre Doutor), a Comissão de Emancipação sugeriu para área do novo município, até o Arroio Moreira (ou Fragata). Esta divisa incluia parte de Morro Redondo e do Jardim América, que era área Urbana de Pelotas.
.
Comissão de Protesto
.
Moradores do Jardim América que, em negociações com a prefeitura de Pelotas, já estavam conseguindo atingir os objetivos que queriam, em relação ao abastecimento de água, um dos principais problemas da localidade, viam a emancipação como uma ameaça. Já tinham conseguido em termos assinado, que sairia uma caixa dágua no bairro Gotuzo, trazendo dessa forma água para o Jardim América. Alegavam que a comunidade do Jardim América não tinha sequer sido consultada se queria ou não a emancipação. A comunidade procurou a Professora Clair Domingues Ribeiro para organizar uma comissão contrária a emancipação. [SILVA 1999: 10-11]
No dia 8 de março, de 1982, Clair entra, no Tribunal Eleitoral, com o Pedido de Reconhecimento da Comissão de Protesto, com 40 assinaturas, composta pelas seguintes pessoas: Presidente - Clair Domingues Ricardo; Vice-Presidente - José Oliveira; 1o Secretário - Maria Cecilia Domingues Ricardo; 2o Secretário - Estuarte Teixeira; Tesoureiro - José Barbosa Antunes; Suplentes - João Soares Viégas, João Carlos Motta, Iraí Barbosa Lopes e João de Quadros. O requerimento foi aceito no dia 12 de março de 1982.
Em 23 de março de 1982, a comissão emancipacionista interpos recurso, no mesmo Tribunal Eleitoral, contra a decisão de admitir a Comissão de Protesto, alegando que das 40 pessoas que assinaram o requerimento, somente 14 eram eleitores da áre emancipada. Para a requisição ser valida, deveria estar assinada por, no mínimo 25 eleitores habilitados a votar no plebiscito. Para votarem no Plebiscito, os eleitores deveriam residir a mais de 1 ano na área emancipada e estarem com seus títulos eleitorais nas seções dentro da área. Os demais 26 não votavam na área emancipada mas residiam nela a mais de 1 ano. A própria presidente da comissão tinha seu título em seção fora (seção 142), inclusive não votou no plebiscito.
Segundo a Resolução normativa número 01/81 do TRE, Art 6o, os títulos poderiam ser transferido para seções da área emancipada até 30 dias antes do plebiscito, ou seja, muitos moradores do "Jardim América" perderam o prazo para esta transferência que seria até dia 26 de fevereiro, inclusive estes 26 da Comissão de Protesto.
.

[SILVA 1999] SILVA, Fabiane Souza da. A Emancipação do Município de Capão do Leão em 1982. Monografia para obtenção do Título de Licenciado em História. Orientadora: Lorena Almeida Gill. Pelotas: UFPEL. 08/03/1999. 28p (Este documento encontra-se no Núcleo de Documentação Histórica da UFPEL.)

106 - Telefonica (mais informações)


.
Em 1922, foram construídos os centros telefônicos rurais do Capão do Leão, Hidráulica, Fragata, Areal, Três Vendas e Monte Bonito. ...
.
No centro telefônico rural de Capão do Leão; um pequeno núcleo urbano situado as margens da estrada de ferro (Bagé – Rio Grande), havia uma estação ferroviária, por onde os proprietários rurais escoavam sua produção. Nesse pequeno núcleo estava localizada ainda a Pedreira Municipal, de onde eram tirados os paralelepípedos para o calçamento das ruas da cidade. As linhas telefônicas deste centro atendiam principalmente as chácaras e estâncias dos principais produtores rurais da cidade.
.
Uso do telefone no Capão do Leão:
Comercial 6
Residencial 25
Industrial 1
Administração Pública 3
Outros 2
Total 37
Fonte: CTMR. Guia Telefônico nº. 13. Pelotas: Echenique & Cia., 1947, p. 140.
...
O centro telefônico da Hidráulica atendia Principalmente os depósitos coloniais e armazéns existentes nesta localidade, algumas famílias e a represa do Arroio Moreira, que fornecia o abastecimento de água para a cidade. Este centro possuía 17 telefones: sendo que 9 eram de uso comercial, 6 de uso residencial, um número pertencia a Prefeitura, e era para o uso dos funcionários da Represa Moreira e um número pertencia a Igreja Episcopal Brasileira.
.
Fonte: LOPES, André Luis Borges. Cidade, modernidade e tecnologia: a modernização do espaço urbano em Pelotas e a CTMR (1947- 1957). dissertação