terça-feira, março 07, 2006

2 - Pedro Pereira Fernandes de Mesquita (Padre Doutor)

Padre Doutor foi uma das principais figuras na formação do Rio Grande do Sul, Pelotas e Capão do Leão. Nasceu na Colônia do Sacramento e aos 12 anos foi estudar no Colégio dos Jesuítas no Rio de Janeiro. Em 1749 matriculou-se na Faculdade de Cânones(1), Universidade de Coimbra, Portugal, e formou-se em 31 de julho de 1752. Esta faculdade lhe valeu ter sido nomeado Vigário da Vara (2) durante mais de 25 anos, no Extremo Sul do Bispado do Rio de Janeiro, abrangendo quase todo o Rio Grande do Sul. Foi nomeado 3 vezes: 1a quando assumiu como Capelão Militar na Colônia de Sacramento; 2a, em 1783, como pároco de Rio Grande; e a 3a em 1793 o bispo renovou a nomeação quando o Padre Doutor deixou o cargo de pároco.
Padre Pedro Pereira Fernandes de Mesquita estava na Colônia de Sacramento, junto com sua irmã Ana Josefa (grávida) e seu sobrinho Hipólito da Costa quando esta foi tomada pelos espanhois. Foi exilado para Buenos Aires onde escreveu um importante documento com o título “Relação da Tomada de Colônia do Sacramento” (3) contando tudo que aconteceu neste episódio.
Foi um dos primeiros proprietários de terras onde hoje é o Capão do Leão. Sua residência era a casa onde depois morou os Barões de Santa Tecla e hoje ainda pertence a família do Barão formando a estância Santa Tecla. Nesta casa encontra-se uma cacimba que fornecia água para a casa do Padre Doutor. Após sua morte, atribuiram poder de cura à aquela água, para certos males. A fama se espalhou e a procura era grande pela “água milagrosa”. Em 1880, o Barão de Santa Tecla interditou a cacimba, alegando perigo de contaminação. Há quem atribuísse o crescimento do Capão do Leão à fama daquela cacimba.(4)
A casa do Padre Doutor também serviu de horatório, inclusive foi sede da Freguesia de São Francisco de Paula por enquando que a igreja ainda estava em construção em Pelotas. Hoje ainda encontra-se a pia batismal deste horatório na casa da Estância Santa Tecla.Padre Doutor faleceu em 28 de agosto de 1813, em Capão do Leão, e seus restos mortais foram depositados sob o piso da Igreja Matriz de Rio Grande. O Arroio Padre Doutor, anteriormente era chamado de Arroio São Thomé e o nome foi mudata em homenagem de grande mérito.

(1) Cânones era o nome dado ao curso de Direito Canônico Eclesiástico.
(2) O Vigário da Vara é o representante do Bispo em determinada região.
(3) Este manuscrito encontra-se no IHGB – Instituto Histório e Geográfico Brasileiro, no Rio de Janeiro. Também podemos lê-lo no livro do irmão Jacob [PARMAGNANI 2002].
(4) [PARMAGNANI 2002] pág. 118.

[PARMAGNANI 2002] PARMAGNANI, Jabob José. O Padre Doutor: Pedro Pereira Fernandes de Mesquita: Patrono da Cadeira no 15 da Academia Pelotense de Letras (1729-1813). 2a ed Porto Alegre: La Salle, 2002. 157 p.
[DE LEON 1998] DE LÉON, Zênia. Pelotas: Casarões Contam Sua História – Volume 3. 2ªed. Pelotas: Prefeitura Municipal de Pelotas. 1998. pag. 275-280.

Nenhum comentário: